Impresso em: 22/10/2019 23:03:57
Fonte: http://www.redeto.com.br/noticia-436-reuniao-nesta-quarta-feira-tenta-acordo-entre-medicos-e-plansaude.html

Reunião nesta quarta-feira tenta acordo entre médicos e PlanSaúde

20/03/2013 11:53:15

Divulgação
REDAÇÃO

Nesta quinta-feira, 20, acontece na sede da Defensoria Pública, em Palmas, uma reunião entre o PlanSaúde responsável pela assistência médica dos funcionários públicos do Tocantins, o Sindicato dos Médicos (Simed) e a Federação Unimed Centro Oeste e Tocantins para discutir as constantes reclamações envolvendo usuários do plano.

De acordo com a Defensoria, a reunião foi marcada depois que o sindicato que representado os médicos no estado suspendeu os atendimentos por falta de pagamento pelos serviços prestados. 

O defensor Arthur Pádua Marques deve propor um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para garantir o atendimento aos servidores. 


Justificativa da suspensão 

O Simed tem justificado a suspensão afirmando que ela se deve a atrasos no pagamento dos médicos e a insegurança em que vivem estes profissionais.

O pagamento de dezembro do ano passado, segundo o sindicato, foi realizado apenas em fevereiro de 2013. 


O sindicato afirma ainda que a Federação Unimed Centro Oeste, operadora do PlanSaúde, passa por uma investigação da Agência Nacional de Saúde (ANS) em decorrência de problemas no cumprimento das normas do órgão.

Resposta


O Governo do estado, através da Secretaria Estadual de Administração (Secad), nega que esteja inadimplente com qualquer prestador de serviço ao PlanSaúde. 

A Secad afirma também que a fiscalização da 
ANS sobre a Unimed Centro-Oeste não é impedimento para que a empresa continue gerindo o plano de assistência dos servidores públicos, uma vez que o PlanSaúde não é um plano comercial e sim um benefício concedido pelo Governo do Estado, não estando submetido às normas e regras da agência reguladora.

A secretaria informou também que o contrato com a Unimed Centro-Oeste e Tocantins não vence no mês abril, como tem sido anunciado na mídia. O que vence, segundo a Secad, é a quarta prorrogação, sendo permitida mais uma.