Impresso em: 17/11/2018 14:31:59
Fonte: http://www.redeto.com.br/noticia-55-katia-abreu-repudia-ato-do-mst-e-chama-grupo-de-quot-movimento-dos-sem-lei-quot.html

Kátia Abreu repudia ato do MST e chama grupo de "movimento dos sem lei"

07/03/2013 11:53:34

Kátia Abreu é crítica ferranha de movimentos sociais como o MST

REDAÇÃO


Em nota divulgada a imprensa, a Senadora Kátia Abreu (PSD) criticou duramente a invasão promovida pelo Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST), em parceria com outros grupos, a propriedade do seu filho, o Deputado Federal Irajá Abreu, localizada na cidade de Aliança do Tocantins.

A presidente da Confederação Nacional da Agricultura afirmou que os 48 funcionários da fazenda invadida foam "violentamento transformados em reféns, enquanto o grupo de vândalos destruía viveiros de mudas cultivadas com alta tecnologia". 

Em resposta às críticas, os militantes afirmaram que o ato foi pacifíco e que ninguém foi feito refém na fazenda.  


Confira, na íntegra, a nota enviada a imprensa pela Senadora Kátia Abreu:


NOTA À IMPRENSA



Repudio, com indignação, a invasão perpetrada pela Via Campesina, uma das milícias do MST, em uma propriedade da minha família localizada em Aliança, Tocantins.

Trata-se de uma propriedade produtiva, moderna, que emprega 48 trabalhadores, hoje violentamente transformados em reféns, enquanto o grupo de vândalos destruía viveiros de mudas cultivadas com alta tecnologia, destinadas ao plantio de eucaliptos, que é a atividade principal do empreendimento.

Esta invasão é um ato de retaliação contra minha atuação democrática como senadora e líder do setor produtivo rural, em defesa do Estado de Direito e dos direitos fundamentais, neste caso traduzido no direito de propriedade.

Não vão me fazer recuar. Não vão me amedrontar. Não vão impedir que continue mostrando ao Brasil as mentiras e as atrocidades cometidas por este movimento dos sem lei.

Neste momento, minha família está se dirigindo ao local para tomar as medidas judiciais cabíveis e prestar atendimento aos verdadeiros trabalhadores que lá foram feitos reféns.



Brasília, 7 de março de 2012



Senadora Kátia Abreu