Impresso em: 04/04/2020 22:31:43
Fonte: http://www.redeto.com.br/noticia-6988-pf-prende-ex-prefeito-de-riachinho-durante-operacao-no-tocantins.html

PF prende ex-prefeito de Riachinho durante operação no Tocantins

22/11/2013 17:10:11

Divulgação
Eurípides Lourenço de Melo é conhecido popularmente como "Lipe" e foi detido durante operação da PF no Tocantins

REDAÇÃO


A Polícia Federal (PF) prendeu na manhã desta sexta-feira, 22, em Palmas, durante a operação Citrus, que combate o desvio de recursos da Fundação Nacional da Saúde (FUNASA), o ex-prefeito da cidade de Riachinho, Eurípides Lourenço de Melo (PR), popularmente conhecido como "Lipe". Além de Melo, outros dois homens foram detidos, um em Augustinópolis e outro no Amapá. 

Melo e os outros são acusados de envolvimento em um esquema que teria desviado pelo menos R$ 45 milhões em convênios. O ex-prefeito é sobrinho do superintendente estadual da FUNASA, Onofre Marques de Melo, afastado do cargo após suspeita de participação nos crimes. Ele foi levado para a delegacia da PF na capital e liberado após prestar depoimento. 

A operação, que conta com o apoio do Ministério Público Federal (MPF), foi realizada simultaneamente no Tocantins, Amapá, Minas Gerais, Pará e Distrito Federal. Documentos e computadores foram apreendidos. Dois homens, um de Araguaína e outro de Palmas, continuam foragidos. Os trabalhos devem continuar na próxima semana. 

De acordo com a PF, a investigação começou há cinco meses e apura o desvio de recursos públicos destinados à construção de sistemas de abastecimento de água, nos municípios de Laranjal do Jari (AP) e Oiapoque (AP). 

Cerca de 120 policiais federais deram cumprimento a 12 mandados de prisão temporária, 7 conduções coercitivas e 19 mandados de busca e apreensão. No Tocantins, 30 policiais participaram dos trabalhos.

Como funcionava o esquema

A polícia informou que esquema criminoso contou com participação de políticos, empresários da construção civil, engenheiros e servidores públicos vinculados à prefeituras, à FUNASA do AP e à empresa responsável pela supervisão da execução dos empreendimentos (composta por “laranjas” em seu quadro societário) que deveriam fiscalizar as obras. A empresa, responsável pela supervisão de obras de saneamento básico nos estados do Amapá, Tocantins e Rondônia, foi contratada pela FUNASA por mais de R$ 7 milhões.

O valor desviado corresponde aos recursos pagos pelas Prefeituras de Laranjal do Jari (AP) e Oiapoque (AP) à empresa executora da obra sem a correspondente contraprestação dos serviços de engenharia contratados. Os envolvidos irão responder pelos crimes de peculato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.


Nota - Onofre

Em nota encaminhada à imprensa, o superintendente da Funasa-TO, Onofre Marques de Melo, declarou que a investigação da PF se concentra em obras de municípios amapaenses e que não tem qualquer relação com obras do Tocantins. Veja na íntegra:

“Diante da notícia de afastamento do cargo de superintendente da Funasa, por ocasião dadeflagração da Operação Citrus, pela Polícia Federal, nesta sexta-feira, 22/11/2013, em respeito ao cidadão, destinatário final dos serviços públicos prestados no exercício do cargo em referência, esclarece-se que a investigação se concentra em obras de abastecimento de água nos municípios amapaenses de Laranjal do Jari e Oiapoque, não guardando qualquer relação com obras públicas tocantinenses.

Apesar disso, as informações pertinentes foram prestadas espontaneamente às autoridades policiais e os documentos solicitados apresentados para análise. Não havendo temor ou algo a esconder, espera-se o desfecho das investigações à disposição das autoridades policiais e judiciárias, para elucidar qualquer suspeição que possa pesar sobre minha gestão à frente da Autarquia Federal”.