publicidade
publicidade
Max:26° Min:23°
Araguaína
Araguaína-TO, terça, 20 de fevereiro de 2018
Siga a REDE TO

Destaques

Perfis falsos publicam mensagens de ódio contra nordestinos

28/10/2014 16h29 | Atualizado em: 28/10/2014 17h10

Divulgação O canal de denúncias da Safernet é intergrado à Polícia Federal, que também recebe o alerta e pode investigar o caso

Desde as 20h da noite de domingo (26), quando começaram a ser divulgados os resultados da eleição para presidente, o número de denúncias de páginas preconceituosas que difundem mensagens de ódio contra parte dos eleitores, como os nordestinos, cresceram 342% em relação ao primeiro turno.

Na avaliação do presidente da ONG Safernet, entidade que monitora violações de direitos humanos na web, há um aumento do número de páginas criados por grupos de extrema direita que se aproveitam do acirramento do debate eleitoral para impulsionar mensagens de ódio. Um dos principais alvos são os moradores do Nordeste, região do país em que a presidenta Dilma Rousseff recebeu o maior volume de votos nas eleições.

Robôs e grupos neonazistas

A Safernet identificou que novos perfis falsos no Facebook e no Twitter foram criados para disseminar mensagens de segregação. Alguns usam espécies de “robôs” para retuitar seus próprios perfis e ampliar o alcance das postagens.

“Já temos evidências concretas que nos permitem afirmar que existem células neonazistas se aproveitando do momento para impulsionar mensagens segragacionistas para impulsionar uma agenda baseada em princípios e propostas segregacionistas como dividir o Norte e o Sul do país”, apontou Thiago Tavares em entrevista ao programa Ponto Com Ponto Br, que vai ao ar às segunda-feiras na Rádio Nacional de Brasília e na MEC AM do Rio. 

Tavares alerta que eleitores inconformados com o resultado das urnas devem ficar atentos para não fortalecer nem legitimar o discurso de ódio ao compartilhar mensagens na rede. “Isso é muito periogoso porque a gente sabe quem em meio a essas células neonaiztas existem fanáticos que estão dispostos a se tornar mártires por esse tipo de causa”. Tavares lembra que, de acordo com a lei 7.716/1989, promover o ódio e a discriminação é crime, com pena que vai de 3 a 6 anos de reclusão, além de multa.

Como denunciar casos de ódio na rede?

O canal de denúncias da Safernet é intergrado à Polícia Federal, que também recebe o alerta e pode investigar o caso. O denunciante não precisa se identificar. Basta acessar o site e inserir o link com a mensagem criminosa que deseja denunciar. Também é possível encaminhar o caso direito na página da Polícia Federal.

Da Agência Brasil

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.