publicidade
publicidade
Araguaína-TO, quinta, 26 de novembro de 2020
Siga a REDE TO

De Tudo, um Pouco

O homem que não comia galinha

10/06/2015 10h21 | Atualizado em: 10/06/2015 16h49

Ilustração Tive um cunhado que não suportava galinha ou outro qualquer ser de penas! Mas seu asco era tanto, que chegava a nausear apenas de ver o prato feito de qualquer parte da penosa

Interessante é o jeito das pessoas em dizer que não gosta de determinada coisa sem ao menos prová-las, sem ao menos experimentar seu sabor! Isto é muito comum nas crianças e cabem aos pais mostrar o gosto das coisas e a necessidade de diversificar os alimentos em busca de uma dieta mais saudável, e é exatamente na infância o momento mais apropriado de não deixar os filhos se habituarem a comer apenas o que gostam, mas sim de aprimorarem e diversificarem o paladar.

Tive um cunhado que não suportava galinha ou outro qualquer ser de penas! Mas seu asco era tanto, que chegava a nausear apenas de ver o prato feito de qualquer parte da penosa. Era tanto que não podia nem pinçar uma cochinha da pobre coitada da galinha com o mesmo garfo que ele iria pegar alimento de outro prato. Era tanto que, só de ver próximo, já dizia estar passando mal!

Mas como todos que dizem não gostar de alguma coisa sem ao menos experimentar, certa vez minha mãe fez um prato de iscas de frango empanadas deliciosas que se confundiam com iscas de peixe...ele desavisado comeu várias pensando ser peixe e depois de muito satisfeito, contamos a verdade...e para quê?!...foi para o banheiro vomitar tudo!

Nesta ocasião, tínhamos uma fazenda no interior do Rio de Janeiro, e como todas as fazendas o bonito é ver um galinheiro, frangos sendo criados soltos, a famosa galinha caipira; ter um chiqueiro; plantações; ter uma horta e assim por diante. Tudo bem! Ter horta, plantações, chiqueiros de porco, ele não se importava, mas a tal da galinha não podia existir! Onde já se viu uma fazenda sem galinhas, sem os deliciosos ovos caipiras, sem os pintinhos atrás da mãe e sem o famoso cantar do galo nas madrugadas?! Lá só quem cantava de galo era ele dizendo que naquela propriedade não teria estes bichos asquerosos, cheios de penas, bípedes, vagando com seus bicos sujos atrás de minhocas na terra!

O pobre do caseiro, homem da roça, louco para ter sua criação de galinhas para uso da família, ficou transtornado em saber que meu cunhado não iria aceitar de forma alguma esta criação. Não satisfeito, o funcionário, depois de nossa partida, resolveu improvisar um modelo de galinheiro que resolvesse o problema de não deixar soltos os frangos e poder ter a criação. Ele inventou um prédio de apartamentos para galinhas!...foi o primeiro arranha-céu de penosas inventado pelo homem. Quando voltamos na semana seguinte, nos deparamos com aquela construção e estranhamos muito aquilo. Nunca tinha nem imaginado ser possível ter um galinheiro vertical! Não sabia que o Chico Pena Brava Galo da Silva(nosso caseiro) era exímio arquiteto. Ele conseguiu fazer um prédio onde no primeiro pavimento ficavam as galinhas que estavam chocas, no segundo andar, as poedeiras, no terceiro e quarto andares, as com pintos novos, no quinto andar, os frangos, no sexto e sétimo andares, as prontas para o abate, enquanto que no oitavo, nono e décimo andares, os galos cantadores, e a cobertura ficou reservada para os pardais, pombas, tico-ticos e andorinhas que iam diariamente roubar um pouco da ração que sobrava pelas janelas dos apartamentos! Como isso é possível?!

Se não fosse cômico era trágico! Perguntei nesta ocasião o porquê disto! Porque ele não aceitava as galinhas, onde tudo isto tinha começado? E ele me respondendo disse que sua mãe era a culpada( sempre a pobre da mãe é a culpada...) que quando ainda novo, moravam em Brasília, e que durante sua criação, sua mãe não o ensinou a comer galinhas! Deve ser porque preparar e comer galinhas dá muito trabalho, tem que levar para jantar, dar presentes, escaldar, depenar, abrir o zíper... ops!

Bom, comecei a usar dos meus estudos de psiquiatria e tentar entender então: criado em Brasília, e sabendo que lá tem de tudo... tem porcos, tem corruptos, tem ladrões, tem cachorros, e tem também muitas galinhas comunistas que querem dar o que não é delas, ele poderia ter enjoado de conviver com todos estes animais passando a desenvolver uma repulsa por penas já que as penas fazem parte de muitas fantasias carnavalescas e que em Brasília, existe um carnaval nos 365 dias do ano com nossos impostos, causando a ele uma representação negativa interior, ficando com problemas emocionais, todas as vezes que houvesse alguma referência às plumagens! Deixemos meu cunhado com seus problemas psicológicos e sócio-políticos!

Tomemos o impulso de respeitar os gostos de cada um, e para quem quiser o projeto do galinheiro vertical, meu ex-funcionário o desenvolveu, servindo hoje de referência para os prédios construídos com o dinheiro desviado das campanhas políticas!

 

Por Nelson Ferreira

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.