publicidade
publicidade
Araguaína-TO, quarta, 30 de setembro de 2020
Siga a REDE TO

Estado

Exames apontam que jacaré-açu não engoliu homem no rio Araguaia

IML analisou ossos encontrados na barriga do animal, no final de abril

18/05/2016 15h09 | Atualizado em: 20/05/2016 19h22

Divulgação/SSP-TO Material coletado da barriga do jacaré-açu foi analisado pelo Instituto Médico Legal (IML) de Palmas

REDAÇÃO
 

A Polícia Científica chegou a conclusão de que o material coletado da barriga de um jacaré-açu, em Araguacema, no fim de abril, não pertence a um ser humano. 

De acordo com o médico legista
 Jorge Pereira Guardiola, diretor do Instituto Médico Legal (IML) de Palmas, a constatação tem como base o exame anatomopatológico (microscópico) realizado na matéria orgânica e nos fragmentos ósseos encontrados no estômago do animal. 

“Para chegar ao resultado final, o material ósseo foi submetido à descalcificação em meio ácido e laminados, corados com Hematoxilina (HE)/ Eosina e analisados sobre microscopia óptica”, explicou o legista.

Segundo Guardiola, no dia 25 de abril, as amostras foram submetidas a um
 exame antropológico macroscópico, mas o resultado foi inconclusivo por causa do avançado estado de decomposição do material analisado. Contudo, desde a primeira análise, já se suspeitava que os ossos não eram de uma pessoa. Com o novo exame, essa hipótese foi confirmada. 

O legista explica que como não se tratam de restos humanos, não há necessidade de realização do exame de DNA.

Relembre

O jacaré-açu foi localizado perto do córrego Ponta Grossa, a cerca de um quilômetro de onde Rogério Marques de Oliveira (foto ao lado), de 41 anos, desapareceu. O animal estava amarrado e com uma marca de tiro na cabeça. Um médico esteve no local e contou que foram encontrados, na barriga do bicho, cabelo, pele e ossos parecidos com costelas humanas.

O suposto ataque aconteceu no dia 17 deste mês. Rogério estava tomando banho com amigos e familiares, quando, segundo testemunhas, teria sido atacado por um jacaré e puxado para o fundo do rio Araguaia. Depois de quatro dias de buscas, os bombeiros encerraram os trabalhos de resgate.  


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.