publicidade
publicidade
Araguaína-TO, terça, 19 de janeiro de 2021
Siga a REDE TO

PT acusa ministro da Justiça de usar a PF com fins eleitorais

Alexandre de Moraes anunciou a realização de nova fase da Lava Jato

26/09/2016 19h56 | Atualizado em: 26/09/2016 20h06

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, teria antecipado informações privilegiadas sobre etapa da Operação Lava Jato

Deputados do PT querem convocar o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para prestar esclarecimentos à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados sobre as declarações deste domingo (25), durante comício eleitoral em Ribeirão Preto (SP), quando Moraes teria anunciado a realização de uma nova fase da Operação Lava Jato nesta semana.

Os deputados Paulo Teixeira (SP) e Paulo Pimenta (RS) protocolaram nesta segunda-feira (26) na CCJ um requerimento convocando Moares. O argumento é que o ministro incorreu em crime ao anunciar a operação. “Antecipar informação privilegiada e, sobretudo, sigilosa é um ato criminoso e demonstra a interferência do Ministério da Justiça nas operações”, afirmaram.

Na manhã desta segunda-feira, a PF prendeu o ex-ministro Antonio Palocci, que comandou a Fazenda em governos do PT. A declaração de que haveria uma nova fase da Operação Lava Jato esta semana foi antecipada em discurso eleitoral por Moraes, que é filiado ao PSDB, durante comício do tucano Duarte Nogueira, em Ribeirão Preto (SP), domicílio eleitoral de Palocci.

Para os parlamentares, a declaração de Moraes coloca em cheque o princípio de independência entre Poder Executivo e Polícia Federal (PF) e configura o uso eleitoral da corporação. “A seletividade comprova que a Operação Lava Jato virou instrumento de luta política contra os adversários do governo Temer”, acrescentaram .

Para que o ministro seja convocado, é necessária a aprovação do requerimento por maioria simples dos integrantes da comissão, desde que estejam presentes metade mais um dos 66 membros do colegiado.

Por meio de redes sociais, a ex-presidenta Dilma Rousseff disse estar preocupada e que o anúncio às vésperas da prisão de Palocci lança suspeita de abuso de autoridade e uso político da Polícia Federal. “Se tal situação tivesse ocorrido em meu governo, seríamos duramente criticados pela imprensa e pela oposição. Estamos caminhando para o Estado de Exceção”, escreveu.

 

Da Agência Brasil

Leia sobre: CCJConvocaçãoDilmaLava JatoPalocciPaloci PFPrisãoTemer
Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.