publicidade
publicidade
Araguaína-TO, terça, 09 de março de 2021
Siga a REDE TO

Rede 190

ASTT paga R$ 2 mil a quem ajudar a prender assassinos de UBS

27/03/2017 10h11 | Atualizado em: 28/03/2017 20h46

Divulgação Imagens da câmera de segurança da UBS mostram o momento em que os suspeitos chegam à unidade para assaltá-la

REDAÇÃO


Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, 27, a Agência de Segurança, Transporte e Trânsito (ASTT) de Araguaína informou que irá pagar uma recompensa de R$ 2 mil para quem ajudar as polícias civil e militar a identificar e localizar os dois jovens suspeitos de matar um homem durante um assalto à Unidade Básica de Saúde do Setor São Miguel. O crime aconteceu na última quinta-feira, 23.

De acordo com a ASTT, quem souber de alguma informação poderá ligar diretamente no telefone 190 da PM. A identidade do denunciante será preservada.“Talvez alguém possa reconhecer os suspeitos e por medo, acabe ficando em silêncio. Através do 190, será preservado o sigilo da pessoa e, assim, conseguiremos achar esses criminosos”, explicou
 Fábio Astolfi, presidente da agência. 

Para ajudar no trabalho de identificação da dupla, a polícia divulgou as imagens da câmera de segurança da UBS. Nelas, os dois suspeitos aparecem entrando na unidade. 

Crime

O assalto ocorreu na UBS Palmeiras do Norte, no Setor São Miguel. Um dos suspeitos (de camisa vermelha) entrou na unidade de saúde como se fosse pedir um atendimento e logo saca uma arma de fogo, apontando para a vigilante, obrigando-a a entregar a sua arma.

O segundo suspeito (calça azul e camiseta verde) entra na UBS passando a mão no rosto, uma forma de tentar dificultar a sua identificação no sistema de segurança.

Edilson Torres da Silva (foto ao lado), de 43 anos, que estava no momento acompanhando a sua esposa e a sua filha na UBS, percebeu a movimentação e tentou desarmar o assaltante, mas o suspeito efetuou dois disparos na sua direção, acertando-o na cabeça. Silva ainda foi socorrido pelo Serviço Móvel de Urgência (SAMU), mas não resistiu aos ferimentos e morreu no Hospital Regional de Araguaína (HRA).

Falta de policiamento

No dia do crime, a Prefeitura de Araguaína divulgou uma nota em que lamentava a morte de Edilson e criticava a falta de policiamento nas proximidades das unidades básicas de saúde. Só no ano passado, seis UBSs foram alvos de criminosos na cidade. Em quase todos os casos, homens armados entraram nas unidades e levaram pertences pessoais de servidores e pacientes que estavam no local.


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.