publicidade
publicidade
Max:33° Min:21°
Araguaína
Araguaína-TO, quarta, 23 de agosto de 2017
Siga a REDE TO

Estado

Justiça manda prender motorista suspeito de estupro em Arapoema

09/06/2017 16h07 | Atualizado em: 12/06/2017 14h05

Ilustração Criança teria sido levada para a parte de trás do veículo, onde ocorreram os abusos sexuais

O juiz da 1ª Escrivania Criminal de Arapoema, Rosemilto Alves de Oliveira, decretou a prisão temporária de um homem de 54 anos acusado pelo crime de estupro de vulnerável. A decisão, cumprida na quarta-feira (7/6), atende ao pedido da Polícia Civil de Arapoema em inquérito que apura a suspeita de crime cometido contra uma criança de 8 anos, moradora da zona rural daquele município.

Conforme o inquérito, o acusado, que não teve o nome divulgado, é servidor público e motorista do transporte escolar e, ao levar estudantes da zona rural para a cidade no dia 31 de maio deste ano, embarcou primeiramente a vítima. Antes de apanhar outras crianças, parou o ônibus, levou a criança para a parte de trás do veículo e começou a praticar abusos sexuais. Ao ser deixada na escola, a vítima, assustada, ligou para a mãe e juntas denunciaram o motorista.

No pedido, a autoridade policial defendeu a prisão temporária como único meio de prova possível para obter detalhes do estupro ao alegar que as investigações estão em curso e há sérios indícios do acusado ser o autor do delito.

Ao analisar o pedido, o juiz aplicou ao caso (estupro de vulnerável, considerado mais grave) a prisão temporária na forma prevista para quem prática crime de estupro. “Não há empecilho algum em se decretar a prisão temporária daquele que tenha supostamente praticado a infração penal de estupro de vulnerável, ainda mais quando se trata de crime levado à categoria de hediondo”, reforça o juiz.

O juiz também ressalta que cada medida cautelar tem a sua finalidade específica e requisitos próprios para ser tomada e a prisão temporária, pedida pela autoridade policial no caso, apresenta-se oportuna por ser “imprescindível” para as investigações do inquérito. “Em outras palavras, visa servir apenas ao inquérito policial na realização de diligências e produção de provas no curso das investigações, visando a comprovação da materialidade e a definição de autoria”.

Conforme a decisão, a prisão temporária de 30 dias poderá ser prorrogada por mais 30 diais, “em caso de extrema e comprovada necessidade”.  

 

Com Cecom/TJ-TO

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.