publicidade
publicidade
Araguaína-TO, segunda, 16 de dezembro de 2019
Siga a REDE TO

Médica nega omissão e responsabilidade pela morte de bebê no Rio

12/06/2017 17h00 | Atualizado em: 12/06/2017 17h08

Reprodução Haydee Marques da Silva rasga papel dentro de ambulância, que seria a solicitação de socorro ao menino Breno, que morreu horas depois

A médica Haydee Marques da Silva, que negou socorro ao bebê Breno Rodrigues Duarte um bebê, de 1 ano e 7 meses, prestou depoimento nesta segunda-feira (12) na 16ª Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Na entrada da delegacia, ela informou que não falaria com a imprensa, pois já havia se pronunciado sobre o caso em entrevista ao Jornal Extra ontem.

Breno morreu na quarta-feira passada (7), uma hora e meia após a médica deixar o condomínio onde a criança morava sem prestar atendimento. A recusa foi testemunhada pelo motorista da ambulância que levou a médica ao local.

Na entrevista ao jornal Extra, a médica afirmou que o ocorrido não foi omissão de socorro, já que não era um caso grave. Ela também alegou que estava muito estressada e sem condições psicológicas para atender. Também disse que não era pediatra nem neurologista para se responsabilizar pela criança, que era muito pequena e com quadro neurológico grave.

As câmeras de segurança do prédio mostram que a ambulância chegou ao local por volta 9h. A médica aparece nas imagens dentro do veículo, rasgando papéis e indo embora sem descer do carro. Breno morreu às 10h26, antes que a segunda ambulância chegasse ao endereço.

A delegada responsável pelo caso, Isabelle Ponti, informou que a médica responde, por enquanto, por homicídio culposo com aumento de pena por inobservância de regra técnica da profissão.

O advogado que representa a família do menino, Gilson Moreira, também presente na delegacia, disse que a médica sabia que o quadro da criança era grave, já que a equipe, que iria inicialmente para a Penha, foi deslocada para a Barra da Tijuca por conta da gravidade do quadro do bebê.

“Ela chegou na porta do condomínio, sabia que o caso era muito grave e se negou a sair da ambulância. Isso configura o descaso, a falta de humanidade e de profissionalismo. Um médico não pode se negar a prestar atendimento e socorro”, disse ele.

Gilson Moreira informou que pedirá a cassação do registro profissional por parte do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), que já abriu sindicância para apurar a conduta da médica.

 

Da Agência Brasil

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

  • Aguarde novas notícias.