publicidade
publicidade
Araguaína-TO, sexta, 26 de fevereiro de 2021
Siga a REDE TO

Estado

Preconceito pode ter motivado incêndio de casa em Araguaína

Residência de travesti foi alvo de um incêndio criminoso no último dia 8

28/08/2017 19h42 | Atualizado em: 29/08/2017 10h56

Fotos: Araguaína Notícias A residência de Bárbara Gomes, de 33 anos, foi incendiada na madrugada de 8 de agosto: até o momento, nenhum suspeito foi preso ou identificado

REDAÇÃO
 

A Defensoria Pública suspeita que o preconceito tenha motivado o incêndio criminoso de uma casa, em Araguaína, na região norte do Tocantins, no último dia 8. Na semana passada, o órgão encaminhou um ofício à Delegacia Regional pedindo informações a respeito da investigação. Até agora, nenhum suspeito foi preso ou identificado. 

De acordo com a Defensoria, na madrugada de 8 de agosto, a residência da travesti Bárbara Gomes, de 33 anos, localizada no setor Morada do Sol II, foi parciamente destruída por um incêndio. A moradora não estava no imóvel no momento do ocorrido. Além de ter vários móveis e eletrodomésticos danificados pelo fogo, a dona da casa também notou que alguns pertences foram furtados. 

"Até agora não sabemos os motivos que culminaram nesse crime, mas repudiamos qualquer ato de discriminação e cobramos das autoridades uma resolução para o caso. A transfobia é um conjunto de ações que excluem e vulnerabilizam as pessoas pelo fato de serem trans, se o crime tiver sido de natureza transfóbica, como acredita Bárbara, estamos frente a um cenário de ódio bastante latente em nossa cidade é que precisa ser combatido”, desabafou o vice-presidente da Associação das Travestis e Transexuais do Tocantins (Atrato), Fernando Vieira. 

Além de cobrar mais agilidade na elucidação do caso, a Defensoria Pública também oficiou a Prefeitura de Araguaína sobre o atendimento a pedido de aluguel social à vítima, solicitado pela Atrato – Associação das Travestis e Transexuais do Tocantins.

Em resposta, a gestão do prefeito Ronaldo Dimas (PR) afirmou que o benefício já foi concedido. Segundo a prefeitura, uma equipe da Funamc – Fundação de Atividades Municipal Comunitária, fez uma visita à travesti, verificando a situação de vulnerabilidade social da vítima. Bárbara recebeu cesta básica e colchão. 

A Atrato informou coletadas roupas (veste 38), calçados (calça 39), alimentos, material de limpeza, material de construção, móveis usados e qualquer forma de ajuda. Quem quiser doar, deve entrar em contato no telefone (63) 99254-4269.  


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.