publicidade
publicidade
Max:33° Min:22°
Araguaína
Araguaína-TO, domingo, 18 de novembro de 2018
Siga a REDE TO

Estado

Nova Rosalândia: Dupla é condenada pela morte de fazendeiro em 2016

O crime aconteceu em setembro do ano passado, em um assentamento

24/11/2017 22h37 | Atualizado em: 27/11/2017 22h52

Divulgação/SSP-TO Na época em que foram presos, a polícia apreendeu com os suspeitos duas espingardas, sendo que uma delas teria sido usada pelos acusados para matar o fazendeiro Gilson de Oliveira Gomes, de 62 anos

REDAÇÃO
REDE TO


O Tribunal do Júri condenou, nesta quinta-feira, 23, em Cristalândia, dois homens acusados de envolvimento com a morte de um fazendeiro, em Nova Rosalândia, no ano passado. Sebastião Elias de Assis Gomes (48 anos) e Marcos Moreira de Oliveira (33) foram sentenciados a uma pena de 31 anos de prisão pelo assassinato de Gilson de Oliveira Gomes (62). O crime aconteceu no dia 21 de setembro de 2016, no assentamento Padre Josimo I, na zona rural do município. 

Conforme denúncia do Ministério Público Estadual, Sebastião e Marcos armaram uma emboscada para o fazendeiro e mataram a vítima com três tiros. O motivo do crime seria uma divergência entre valores de prestação de serviços na construção de um curral, entre Sebastião e o fazendeiro, além da suspeita do réu de que o fazendeiro poderia ter contratado alguém para matá-lo, caracterizando motivo fútil para o crime.

O MPE afirma que, depois do crime, Sebastião, autor dos disparos, seguiu para outra fazenda, enquanto o comparsa, Marcos, fugiu levando um carro da vítima. O veículo foi usado pela dupla para ocultar o corpo de Gilson. O cadáver foi localizado em uma estrada vicinal às margens da TO-255, a cerca de 50 km de Porto Nacional.

Segundo a denúncia, Marcos foi detido avenida Beira-Rio, em Porto, com o automóvel do fazendeiro.  Ele entregou o comparsa, Sebastião, que foi preso na fazenda de um ex-patrão, na zona rural de Cristalândia. Com o autor dos tiros, foram apreendidas duas espingardas, uma delas usadas para assassinar Gilson. 

Penas 

Na fixação das penas, Sebastião foi condenado a 16 anos de prisão e 20 dias-multa, correspondente a 1/30 do salário mínimo. Separadamente, as penas foram de 14 anos de prisão pelo crime de homicídio qualificado por motivo fútil e emboscada, um ano de prisão de dez dias-multa pela ocultação de cadáver e mais um ano de prisão e dez dias-multa pelo crime de posse irregular de arma de fogo.

Marcos recebeu a pena de 14 anos de prisão pelo homicídio qualificado, outra pena de um ano e dez dias-multa, por furto, e mais três meses de detenção e dez dias-multa pelo crime de fraude processual. Unificadas, as penas de prisão são de 15 anos e três meses mais 20 dias-multa.

O juiz Wellington Guimarães, titular da Comarca de Cristalândia, que presidiu o Júri, negou aos réus o direito de recorrerem em liberdade. Sebastião e Marcos, portanto, terão que começar a cumprir pena em regime fechado. 


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

  • Aguarde novas notícias.