publicidade
publicidade
Max:32° Min:22°
Araguaína
Araguaína-TO, quinta, 22 de novembro de 2018
Siga a REDE TO

Municípios

Após denúncia criminal, oficiala de justiça é afastada

26/06/2018 17h25 | Atualizado em: 26/06/2018 17h53

Divulgação A oficiala de Justiça de Goiatins Diana da Cruz Campos e o ex-prefeito do município, Vinícius Donnover Gomes, foram denunciados esta semana por associação criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção

REDAÇÃO
REDE TO


A Justiça determinou, nesta segunda-feira, 25, o afastamento da oficiala de Justiça de Goiatins Diana da Cruz Campos. Diana e o ex-prefeito do município, Vinícius Donnover Gomes, foram denunciados pelo Ministério Público Estadual, na segunda, pelos crimes de associação criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção. 


Ao receber a denúncia, o juiz Luatom Bezerra Adelino de Lima entendeu que a medida cautelar de afastamento da servidora temporariamente de suas funções se faz necessária para resguardar o bom andamento processual. Na decisão, o magistrado especifica nominalmente uma servidora do cartório e um oficial de Justiça que devem ficar responsáveis por movimentar o processo e cumprir mandados.

Com o recebimento por parte da Justiça, a denúncia criminal apresentada pelo MPE é convertida em ação penal e o ex-prefeito e a oficiala de justiça se tornam réus no processo. 

Solicitado pelo Promotor de Justiça Paulo Alexandre Rodrigues de Siqueira,  o afastamento da oficiala de justiça deve vigorar até que os réus sejam citados sobre o processo e apresentem respostas escritas ao Poder Judiciário, ocasião em que será reanalisada a necessidade de manutenção do distanciamento da servidora.

Denúncia

O MPE acusa o ex-prefeito e a oficiala de justiça afastada participarem de um esquema criminoso que desviou cerca de R$ 10 milhões dos cofres do município. Os crimes teriam ocorrido de 2012 a 2016, quando Vinícius Donnover esteve à frente da prefeitura. 

De acordo com a denúncia, o então prefeito Donnover seria o chefe da organização criminosa e Diana da Cruz, um braço da organização junto ao Poder Judiciário, tendo como funções avisar antecipadamente sobre atos da Justiça e deixar de cumprir mandados judiciais.

O promotor afirma ainda que a servidora fornecia suas contas bancárias para as movimentações financeiras do esquema criminoso, “ocultando quantias recebidas, mascarando os valores e promovendo a integração através de outras atividades comerciais com o fim de proporcionar a aparência de capital lícito e posteriormente distribuir os dividendos entre os envolvidos".

Segundo o Ministério Público, entre 2012 e 2016, Diana da Cruz movimentou R$ 8.479.408,11 em suas contas bancárias, valor incompatível com sua remuneração mensal de aproximadamente R$ 10 mil líquidos. Parte dos recursos recebidos em conta pela oficiala de justiça seria proveniente de uma empresa de fachada, utilizada para participar de processos licitatórios viciados e desviar recursos públicos do município de Goiatins.

Interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça Federal mostram que existia uma relação de troca favores entre o ex-prefeito e a oficiala de justiça. As gravações revelaram, por exemplo, que Vicícius Donnover designou uma técnica de enfermagem para cuidar do pai de Diana da Cruz durante um fim de semana na cidade de Araguaína, inclusive com diárias pagas pela Prefeitura de Goiatins. Em troca, a servidora teria retardado o cumprimento de mandado de prisão em desfavor do ex-gestor.

Vinícius Donnover e mais 10 pessoas foram presos pela Polícia Federal em julho de 2016 suspeitos de fraudar contracheques de servidores para fins de contratação de empréstimos consignados


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

  • Aguarde novas notícias.