publicidade
publicidade
Araguaína-TO, sexta, 24 de maio de 2019
Siga a REDE TO

Municípios

Aumenta o número de casos de picada de escorpião em Palmas

Até agora, já foram 48 acidentes envolvendo este animal peçonhento

20/02/2019 12h40 | Atualizado em: 26/02/2019 17h48

Foto 1: Divulgação; Foto 2: Divulgação/Raiza Ribeiro Até o momento, foram 28 acidentes envolvendo escorpiões, 14 a mais do que o registrado no mesmo período do ano passado

REDAÇÃO 
REDE TO


Dobrou o número de casos de picada de escorpião, em Palmas, nos primeiros meses do ano. De acordo com a Unidade de Vigilância e Controle de Zoonoses de Palmas (UVCZ), até o momento, foram 28 acidentes envolvendo este animal peçonhento, 14 a mais do que o registrado no mesmo período do ano passado. 

Levando em conta também os casos de acidentes com outros animais peçonhentos como cobras e aranhas, o número chega a 57. Em 2018, foram 75 ocorrências nas primeiras semanas do ano e 547 no total. 

Quando acidentes assim acontecem é importante manter o membro afetado em uma posição mais elevada em relação ao restante do corpo. A vítima deve ser levada a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) mais próxima. Se possível, e caso não apresente risco de um novo acidente, o animal peçonhento deve ser levado com a vítima para o controle do UVCZ.

Cuidados 

A UVCZ orienta que para evitar animais peçonhentos no ambiente doméstico alguns cuidados devem ser tomados e o primeiro deles é acabar com os possíveis abrigos.

Segundo o biólogo da UVCZ Anderson Brito, os animais de peçonha gostam de se esconder em locais com acúmulo de materiais, como entulhos, restos de construção, madeira e etc. Por isso ele lembra que manter a casa e o quintal em ordem é o primeiro cuidado a ser tomado. “Além disso, é importante manter gramados aparados e os arredores da casa limpos, evitando o aparecimento de animais que possam servir de alimento para serpentes, aranhas e escorpiões, como baratas e roedores”, explica.

Ele esclarece ainda que por ter hábitos noturnos é mais difícil para os humanos identificarem a presença desses animais. Anderson recomenda que telas sejam colocadas em janelas e ralos e que a parte inferior das portas seja vedada. O biólogo também orienta verificar roupas e calçados antes de usar.


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.