publicidade
publicidade
Araguaína-TO, quinta, 18 de julho de 2019
Siga a REDE TO

Estado

Após auditoria, Justiça manda governo resolver problemas em hospital

29/03/2019 19h55 | Atualizado em: 01/04/2019 19h35

Divulgação Ministério Público e Defensoria entraram com ação na Justiça com o objetivo de sanar irregularidades constatadas pelo TCE no Hospital Infantil Público de Palmas

Em ação civil pública ajuizada na última quarta-feira, 27, o Ministério Público Estadual (MPE) e a Defensoria Pública Estadual (MPE) requereram que o governo do Tocantins seja obrigado a corrigir uma série de irregularidades do Hospital Infantil Público de Palmas, detectadas durante auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

As situações de inconformidade referem-se principalmente à precariedade no armazenamento de medicamentos e de insumos hospitalares, bem como à escassez de medicamentos, fórmulas alimentares, insumos, equipamentos, enxoval e mobiliário hospitalar.

Segundo os órgãos de controle, as inadequações ocasionam demanda reprimida por cirurgias, baixa resolutividade dos casos atendidos e elevação das taxas de ocupação de leitos, podendo refletir no agravamento do quadro de saúde dos pacientes e na ocorrência de óbitos que seriam evitáveis.

A inspeção técnica do TCE ocorreu em 1º de março de 2019, ocasião em que foi colhida junto à Diretoria-Geral a informação de que estavam em falta 70 medicamentos e três tipos de fórmulas, enquanto 16 tipos de equipamentos estavam em falta ou existiam em quantidade insuficiente para atender à demanda da unidade hospitalar.

Entre os itens em falta no estoque, estavam seringas de 3 ml e de 5 ml, termômetros, luvas de látex tamanho P e alguns tipos de curativo, de sonda gastrostomia e de cateter. Já as roupas de cama e macas existiam em quantidade insuficiente.

O relatório do Tribunal de Contas aponta que os estoques de medicamentos e materiais funcionam em contêiner, que não possui termômetro e não apresenta condição adequada de conservação, havendo fenda em suas paredes, além de mofo e dejetos de animais nas suas proximidades. Alguns frigobares utilizados para armazenar medicamentos de uso fracionado nos postos de enfermagem apresentavam ferrugem.

Também é relatado que, no horário da inspeção, só havia duas médicas para atender 63 pacientes, dos quais 46 estavam internados e 17 em observação. Do total, 20 estavam sendo atendidos no corredor, sendo que alguns estavam neste local há mais de uma semana, segundo depoimentos.

A ação civil pública que requer a correção das irregularidades é assinada pelas promotoras de Justiça Ceres Gonzaga de Rezende Caminha e Maria Roseli de Almeida Pery e pelo defensor público Arthur Luiz Pádua Marques. 

 

Da Ascom/MPE-TO

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.