publicidade
publicidade
Araguaína-TO, quarta, 17 de julho de 2019
Siga a REDE TO

Municípios

Aliança: MP acusa ex-prefeito de receber propina de R$ 20 mil

02/07/2019 21h04 | Atualizado em: 03/07/2019 19h01

Divulgação Ex-prefeito de Aliança do Tocantins, José Rodrigues da Silva, mais conhecido como Zé Pequi, é alvo de Ação Civil Pública por improbidade administrativa

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) ajuizou Ação Civil por ato de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Aliança do Tocantins, José Rodrigues da Silva, mais conhecido como Zé Pequi, e contra a empresa DSC Construtora Ltda, por irregularidade na execução de obras de pavimentação urbana naquela cidade. Consta que o município pagou R$ 222.039,06 pela primeira etapa da obra, mas somente R$ 129.025,36 foram realmente aplicados, o que ocasionou prejuízo de R$ 93.013,70 aos cofres públicos.

Do total de R$ 222.039,06, o município repassou R$ 121.500,00 à empresa por meio de duas transferências bancárias, realizadas nos meses de agosto e setembro de 2010. Conforme recibos, os R$ 100.539,06 restantes teriam sido pagos em espécie, o que contraria as normas legais. Ocorre que um dos colaboradores da DSC Construtora, em depoimento ao Ministério Público, informou que a empreiteira nunca recebeu os R$ 100.539,06.

O depoente também revelou ao Ministério Público que a construtora pagou R$ 20 mil ao prefeito, a título de propina. Após a quebra do sigilo bancário do gestor municipal, foi identificada a transferência dos R$ 20 mil, da conta da empresa para sua conta pessoal. José Rodrigues da Silva não apresentou nenhuma justificativa plausível para esta e outras transferências bancárias em que foi beneficiado pela construtora.

De acordo com o MP, a gestão municipal nunca prestou contas, de forma adequada, da primeira parcela do convênio para pavimentação urbana, o que impediu o município de receber, do governo do estado, os valores relativos à segunda e à terceira etapa da obra.

A Ação Civil Pública foi proposta pelo promotor de Justiça Roberto Freitas Garcia, que atua na área de proteção do patrimônio público. Na esfera civil, o ex-prefeito e a empresa ficam sujeito às penas de ressarcimento do prejuízo ao erário, pagamento de multa, proibição de contratar com o poder público, proibição de receber benefícios fiscais ou de crédito e suspensão dos direitos políticos, esta última aplicável ao ex-gestor.

Na esfera criminal

Pelos mesmos fatos, o Ministério Público propôs também uma denúncia contra o ex-prefeito José Rodrigues da Silva, pelo crime de corrupção passiva. Na esfera criminal, ele fica sujeito às penas de reclusão e pagamento de multa. (Com Ascom/MP-TO)

***

Outro lado

A REDE TO tentou falar com o ex-prefeito José Rodrigues da Silva e com algum representante da DSC Construtora, mas não obteve êxito. O espaço está aberto para que eles possam se manifestar sobre a ação judicial. O email para envio de notas é [email protected].


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.