publicidade
publicidade
Araguaína-TO, segunda, 06 de abril de 2020
Siga a REDE TO

Estado

Polícia Civil prende vários suspeitos de violência doméstica no Tocantins

27/11/2019 18h09 | Atualizado em: 29/11/2019 12h40

Divulgação/Dennis Tavares As prisões são motivadas por crimes como violência sexual, estupro de vulnerável, ameaça, descumprimento de medida protetiva e posse irregular de arma de fogo

REDAÇÃO
REDE TO


A Polícia Civil do Tocantins deflagrou nesta quarta-feira, 27, a Operação Nacional Marias, que tem como objetivo combater crimes de violência doméstica contra mulheres e grupo de vulneráveis. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, 12 pessoas já foram presas, sendo oito delas no interior do Estado e quatro em Palmas. A expectativa é que sejam cumpridos 89 mandados prisão em todo o estado.

A operação reúne mais de 100 policiais civis das 12 Delegacias da Mulher do Tocantins. As prisões são motivadas por crimes como violência sexual, estupro de vulnerável, ameaça, descumprimento de medida protetiva e posse irregular de arma de fogo.

As ações estão sendo reaqlizadas em Palmas e nos municípios que compõem as regionais de Araguatins, Araguaína, Colinas do Tocantins, Guaraí, Paraíso do Tocantins, Porto Nacional, Gurupi e Dianópolis.

Segundo a SSP, o nome da operação “faz referência, homenagem, à Maria da Penha que é o ícone da violência doméstica”.

Coletiva

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira, a delegada-geral da Polícia Civil, Raimunda Bezerra, destacou a ação como forma de reduzir os índices de feminicídios e de prevenção à violência contra a mulher no Tocantins. Em 15 meses, quase 30 mil casos de violência doméstica foram registrados no estado. 

"A grande maioria das mulheres que denunciaram e tiveram medidas protetivas expedidas não morreu. A denúncia ainda é o melhor caminho, precisamos ajudar que as mulheres cada vez mais tenham coragem para sair da situação de violência. Requeiram medidas de proteção de urgência. Essas ações são efetivas para salvaguardar a vida das mulheres”, explicou a delegada-geral.

A coordenadora da Operação Marias no Tocantins, delegada titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Ana Carolina Marinho Braga, afirmou que a operação deve continuar pelos próximos 10 dias. “Estamos com ações repreensivas e preventivas cumprido os mandados expedidos, as fiscalizações das medidas protetivas de urgência e verificação das denúncias. E se necessário iremos estender até que todos os mandados sejam cumpridos”, enfatizou.  

Fórum

A Operação Marias é resultado do I Fórum Permanente de Enfretamento à Violência Contra a Mulher – CONCPC, realizado no final do mês de outubro em Brasília (DF). Durante o evento, ficou definida a realização da força-tarefa em todo o país para dar cumprimento a mandados judiciais, verificar medidas protetivas de urgência e denúncias referentes a crimes de violência doméstica e familiar contra mulheres.


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.