publicidade
publicidade
Araguaína-TO, quarta, 25 de novembro de 2020
Siga a REDE TO

Estado

Governo promove campanha anual contra hanseníase no TO

23/10/2020 10h41 | Atualizado em: 23/10/2020 10h41

Nielcem Fernandes/Governo do TO
Com o tema ‘Prevenção de Incapacidades’ a Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Superintendência de Vigilância a Saúde, promove de 23 a 30 de outubro, a Campanha do Dia Estadual de Luta Contra a Hanseníase. O objetivo é alertar a sociedade sobre os sinais e sintomas da doença.

A campanha é realizada em decorrência do "Dia de Luta Contra a Hanseníase", celebrado no Tocantins, na última sexta-feira do mês de outubro. “Trazemos em 2020 o tema central da prevenção de incapacidades, pois diagnóstico tardio pode provocar incapacidades físicas e deformidades visíveis”, destacou a técnica da Área da Hanseníase da SES, Regina Figueiredo Teixeira.

O diagnóstico precoce elencado por Regina é recomendado pelo Ministério da Saúde (MS), o qual reforça que o diagnóstico na fase inicial da doença elimina fontes de infecção, reduzindo e/ou minimizando os sofrimentos causados pelas incapacidades físicas que a doença pode causar.

Para promover a conscientização da população, a SES tem mobilizado os municípios para que, mesmo em tempos de pandemia, consigam levar as informações pertinentes à população que deve ser esclarecida.


Situação Epidemiológica

O Estado do Tocantins é considerado hiperendêmico, conforme os parâmetros do MS, ocupando o 2º lugar no ranking nacional de maior número de casos no país, inclusive em pacientes menores de 15 anos, perdendo apenas para o estado do Mato Grosso.

Em 2019, o Tocantins registrou 1.529 casos da doença e 650 até setembro de 2020.


Sintomas

Os principais sintomas da hanseníase são: manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele com perda ou diminuição de sensibilidade ao calor, à dor e ao tato; placas ou caroços em qualquer parte do corpo; e diminuição da força muscular das mãos, pés e face.

Tratamento

O Sistema Único e Saúde (SUS) oferece gratuitamente a medicação para o tratamento, que dura em torno de seis a 12 meses.

     Da Secom/Governo do Tocantins

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.