publicidade
publicidade
Araguaína-TO, terça, 07 de dezembro de 2021
Siga a REDE TO

Estado

STF reconhece a autonomia da Polícia Científica do TO

08/06/2021 19h12 | Atualizado em: 09/06/2021 20h25

Divulgação Por unanimidade os ministros julgaram improcedente a ADI proposta pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Judiciária

O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a constitucionalidade da Polícia Científica do Tocantins. A decisão foi tomada na noite desta segunda-feira, 7, quando foi finalizado o julgamento virtual da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6621, proposta pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Judiciária (ADPJ).

Por unanimidade os ministros julgaram a ADI improcedente e acompanharam o voto do relator, ministro Edson Fachin, favorável à existência da Polícia Científica subordinada diretamente à Secretaria de Segurança Pública, sem a tutela da Polícia Civil.

“Parece-me que o modelo adotado pelos Poderes Legislativo e Executivo do Estado do Tocantins, o qual, em legítima desconcentração administrativa, cria Superintendência da Polícia Científica, subordinada ao Secretário de Estado da Segurança Pública, e dirigida por perito oficial de classe especial, não apenas está inserido no rol de interpretações possíveis do sistema constitucional, senão antes concretiza em alto grau o comando de prestação efetiva de políticas de segurança pública. Garante-se, assim, em maior extensão, a autonomia da polícia científica,” justificou o ministro Fachin em seu voto.

O ministro Alexandre de Moraes reforçou a importância da autonomia da Polícia Técnica como órgão pericial técnico auxiliar em investigações realizadas pelo Ministério Público. “Verifique-se que, quando o Ministério Público atua na investigação, nos PICs – Procedimento de Investigação Criminal, ele por vezes solicita diretamente às polícias técnico-científicas a elaboração de importantíssimos laudos, porque, nessa situação, quem está exercendo o papel de investigação, o papel da própria polícia judiciária, é o Ministério Público, e quem deve auxiliá-lo é a polícia técnico-científica, que vai realizar as suas funções com total autonomia, exatamente como um órgão pericial técnico.”

A autonomia da Polícia Técnico-Científica já havia sido reconhecida pelo STF em outras duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade. A ADI 2861, que questionava a Superintendência de Polícia Técnico-Científica de São Paulo, e a ADI 4515, que questionava a Coordenadoria de Perícias do Mato Grosso do Sul. Em todos os casos os ministros declararam que não há inconstitucionalidade na vinculação destes órgãos diretamente às respectivas Secretarias de Segurança Pública. A autonomia da Polícia Científica já é uma realidade em 19 Estados.

 

Por Comunica Consultoria

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

  • Aguarde novas notícias.