publicidade
publicidade
Araguaína-TO, Wednesday, 29 de June de 2022
Siga a REDE TO

Municípios

MPTO denuncia vereador de Araguaína por discurso homofóbico

24/03/2022 17h52 | Atualizado em: 24/03/2022 17h52

Reprodução
REDAÇÃO
REDETO, com informações do MPTO

O Ministério Público do Tocantins ingressou denúncia criminal e ação civil pública contra o vereador Sargento Jorge Carneiro (PROS), de Araguaína, na região norte do estado, por conta de discurso com teor homofóbico, proferido em 10 de maio de 2021, na Câmara Municipal da cidade. O parlamentar se dirigiu a um jornalista fazendo comentários de cunho sexual, dizendo que o homem precisava "trocar de namorado" e que "tinha vontade de usar saia".

A denúncia, de âmbito criminal, requer a condenação do parlamentar pelo crime de discriminação, previsto no artigo 20, § 2º, da Lei nº 7.716/89, que tem como pena a reclusão de dois a cinco anos, além de multa.

Já a ação civil pública sustenta que o parlamentar violou princípios constitucionais, como a dignidade da pessoa humana e da igualdade de todos perante a lei. Como penalidade, requer que ele seja condenado a pagar indenização por dano moral coletivo e a se retratar publicamente nos mesmos meios em que foi difundido o discurso discriminatório. Proferido na tribuna da Câmara Municipal, o discurso foi também transmitido via internet.

Nas peças judiciais, o MPTO relata que Jorge Ferreira utilizou a tribuna para pronunciar ofensas de caráter discriminatório contra um jornalista que teria divulgado críticas em seu desfavor, motivadas pelo fato de o parlamentar ter descumprido norma sanitária ao não utilizar máscara de proteção contra Covid-19 na Casa Legislativa.

Conforme é relatado, o discurso teve tom de menosprezo e diminuição, ofendendo a dignidade do jornalista e também atingindo a parcela da comunidade LGBTQIA+ a qual ele pertence, estigmatizando, incitando o preconceito, incentivando a violência e afrontando a dignidade humana destas pessoas. De acordo com o MPTO, a propagação do raciocínio discriminatório ganhou efeito ainda mais prejudicial por provir de uma autoridade política, que deveria atuar pela inclusão de grupos sociais minoritários.

Fundamentação

As ações do Ministério Público citam jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), na qual é reconhecida a igualdade ampla de todas as pessoas sob o manto da ordem jurídica brasileira, o direito à busca da felicidade e o direito à liberdade sexual.

Também é destacado o princípio da dignidade da pessoa humana, que assegura ao sujeito, de forma integral, o direito de desenvolver em plenitude a sua personalidade, no âmbito do convívio social.

É lembrado ainda o fundamento da República, previsto no artigo 1º da Constituição, de construir uma sociedade livre, justa e solidária, com a promoção do bem de todos, sem preconceito ou quaisquer formas de discriminação.

Não aplicação da imunidade parlamentar

A ação civil pública menciona que a imunidade parlamentar não é absoluta, acrescentando que a atuação dos agentes políticos deve ser voltada especificamente para o cumprimento da função social da administração pública. Dessa forma, os atos do poder público devem ser livres de qualquer motivação exclusivamente subjetiva ou pessoal, condição que não se aplica à manifestação do vereador.

“O discurso ofensivo que tratou com menosprezo o profissional da área de comunicação, proferido pelo parlamentar, e que discriminou parcela da população em razão de sua condição ou orientação sexual, não encontra guarida no caráter institucional do cargo de vereador, não estando, portanto, a referida fala protegida pela prerrogativa da imunidade parlamentar”, diz a ação civil pública.

Na época do ocorrido, o vereador Sargento Jorge Carneiro se pronunciou por meio de nota, dizendo reconhecer que havia utilizado palavras inadequadas. Já a Câmara Municipal de Araguaína deixou claro que as falas do vereador não refletiam a posição e a opinião da casa de Leis. (Veja as notas na íntegra abaixo)

A denúncia de âmbito criminal e a ação civil pública foram propostas pela 6ª Promotoria de Justiça de Araguaína.

Nota do vereador Sargento Jorge Carneiro

"JORGE FERREIRA CARNEIRO, vereador eleito pelo voto popular para a gestão 2021/2024, vem a público se manifestar sobre o pronunciamento realizado no plenário da Câmara Municipal de Araguaína/TO, na sessão Ordinária ocorrida em 10/05/2021.

Inicialmente esclareço, que em que pese, seja policial militar, tenho origens humildes, quem me conhece sabe que não sou possuidor de um vocabulário muito extenso e uso palavras simples e uma linguagem informal em meus pronunciamentos.

Quanto as declarações ocorridas no plenário naquela ocasião, reconheço que utilizei de palavras inadequadas, que talvez tenham trazido uma interpretação diversa da que inicialmente eu pretendia.

Diante disso, me retrato publicamente das palavras proferidas, peço desculpas a quem se sentiu ofendido, e coloco meu gabinete a disposição de qualquer cidadão Araguainense, para contribuir e esclarecer, como sempre esteve. Atenciosamente!

Jorge Ferreira Carneiro - Vereador PROS"



Nota da Câmara Municipal de Araguaína


"Câmara Municipal de Araguaína vem a público manifestar sobre o ocorrido na sessão do dia 10 de Maio de 2021, aduzindo que o uso da Tribuna é prerrogativa institucional e garantido conforme previsão em seu regimento interno, prezando, ainda, que o vereador vem cumprindo devidamente com suas atividades parlamentares, e, por fim, a fala do parlamentar, no caso em comento, não reflete a posição e opinião da Casa de Leis."



Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.