publicidade
publicidade
Araguaína-TO, sábado, 28 de novembro de 2020
Siga a REDE TO

Estado

Tocantins completa 25 anos de existência no próximo sábado

Cidadãos relatam o que viram nos primeiros anos do estado

01/10/2013 10h48 | Atualizado em: 01/10/2013 16h18

Arquivo Secom Palácio Araguaia foi construído em 13 meses e inaugurado em 1991

A criação do Tocantins como Unidade Federativa brasileira foi oficializada no dia 5 de outubro de 1988 depois de uma intensa luta política e social relacionada à história recente do Estado. Mas a busca pela emancipação do norte de Goiás, hoje Tocantins, remete a períodos mais antigos, no século XIX, quando disputas entre membros da coroa favoráveis à recolonização do Brasil e políticos liberais favoráveis à emancipação do país tiveram reflexo na província de Goiás.

“Neste período nós já vemos alguns jornais fazendo denúncias sobre o Norte de Goiás, dizendo que a região era desvalida, curral eleitoral, sem estrutura, estradas”, explicou a historiadora e professora da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Jocyleia Santana dos Santos.

José Martins Pereira de Alencastre, nos Anais da Província de Goiás, escreveu que após tentativa frustrada de golpe contra o governo da província, instalou-se o governo independencista do norte, com capital provisória em Cavalcante. O ouvidor da Comarca do Norte, Theotônio Segurado, presidiu e estabeleceu essa junta provisória até janeiro de 1822. No dia seguinte, o governo provisório da Comarca da Palma fez circular uma proclamação em que declarou-se separado do governo.

Após os acontecimentos que movimentaram a província de Goiás no século XIX, as lutas pela criação do Estado do Tocantins ganharam corpo, conforme a professora da UFT. Entre os anos de 1950 e o final de 1970, outros movimentos buscaram a separação do norte de Goiás e a criação do Estado do Tocantins. “Eram estudantes do Tocantins que foram para Goiás e escreveram documentos, cartas relatando a situação do norte”, disse Jocyleia. Nos anos 1970, os então deputados federais Siqueira Campos, hoje Governador do Estado, e Darcy Marinho encamparam a luta, que culminou em greve de fome.

Nasce o Tocantins

Depois de longos períodos de discussões, o relator da Subcomissão dos Estados na Assembleia Nacional Constituinte (ANC), deputado federal Siqueira Campos, apresentou ao presidente da ANC, Ulysses Guimarães, a fusão de emendas criando o Estado do Tocantins. A proposta foi votada e aprovada naquele 5 de outubro de 1988 e em novembro do mesmo ano, o Tribunal Regional de Goiás realizou a eleição dos primeiros membros parlamentares do Tocantins, bem como prefeitos, vereadores, deputados e o Governador, José Wilson Siqueira Campos.

A data foi um marco na vida dos moradores daquele desvalido norte goiano que vislumbravam na criação de um Estado próprio a esperança de uma vida melhor. Desta forma, o 5 de outubro tornou-se muito mais do que uma simples data para a população que vivenciou parte da luta pela emancipação do norte goiano. “O cinco de outubro representa todo o sonho de uma geração que queria um Estado consolidado, que quer industrialização, um Estado forte na geração de emprego e renda. O 5 de outubro consagrou os anseios daqueles estudantes, inclusive eu, que tiveram que estudar fora, buscar sua formação em outro lugar”, completou Jocyleia.

Registrando a história

Um dos primeiros moradores da recém-criada capital do Tocantins, o cinegrafista Sidney Madalena presenciou as mudanças pelas quais Palmas e o Tocantins passaram desde a criação. Atualmente ele trabalha na Assembleia Legislativa e mantém um website com imagens e matérias jornalísticas antigas sobre o Tocantins (www.documentatocantins.com.br). Em uma entrevista descontraída, o profissional relatou que viu o desenvolvimento do Estado através das lentes de suas câmeras. “Toda a construção que era erguida em Palmas a gente ia filmar. Nós acompanhamos todo o crescimento daqui”, disse.

O cinegrafista, que é tocantinense, contou que foi contratado por uma emissora de televisão de Goiânia e ficou dois anos fazendo um estágio para coordenar a primeira equipe de imagem do iminente Estado do Tocantins. Isso, segundo ele, foi entre 1985 e 1987. Em 1988 já estava em Araguaína, maior cidade da região, então. “Eu me lembro que no dia da criação do Estado, estávamos filmando uma competição de motocross e nos ligaram dizendo para parar tudo e transmitir a sessão no Congresso”, relembrou.

Dirigindo nas primeiras ruas

Também foi trabalhando que Manoel Neto viveu a história da criação do Tocantins. Ele foi o primeiro motorista de Siqueira Campos em seu mandato inaugural à frente da mais nova Unidade da Federação e guarda consigo muitas memórias do inicio da construção do Estado. Ao lado do antigo Opala Comodoro verde, primeiro veículo oficial do Governo do Tocantins, hoje em exposição no Museu do Palacinho, ele lembrou das dificuldades enfrentadas naquele período. “Quando eu cheguei aqui, as máquinas ainda estavam abrindo essas avenidas. Foi um período de grande dificuldade. Para se ter uma ideia, para fazer o trecho entre Palmas e Miracema, levávamos umas seis horas. As estradas eram precárias e as pontes, mata-burros”, comentou.

Observando o prédio que abriga o Palacinho, seu Manoel frisou que aquela estrutura foi a primeira morada dele, no começo do Estado. “Nosso alojamento era ali atrás, mas à noite, nós trazíamos colchões ali para a frente e dormíamos ali (apontando para a sacada da edificação em madeira). Nós jogávamos comida no terreno e vinham lobos-guará comer e de manhã, as pacas estavam dormindo embaixo dos carros”, contou.

Depois de 25 anos e dois filhos criados no Tocantins, o primeiro motorista oficial do Governador, hoje taxista em Palmas, se diz orgulhoso com o desenvolvimento da região: “É bom ver que o Estado se desenvolveu e está crescendo cada vez mais”.

Memória em arte

Parte da história de criação do Tocantins pode ser vista no Palácio Araguaia, em Palmas. Quem passa pela ala norte da sede administrativa do governo do Estado se vê cercado pela história contada em dois grandes painéis com imagens que remetem ao processo de separação do Norte de Goiás e aos atos políticos que oficializaram a criação do mais novo Estado da federação.

O Painel das Lutas e o Painel das Conquistas são criações do artista plástico D.J. Oliveira e possuem, cada um, cerca de 61 m². Olhares mais atentos perceberão que ali, naquelas duas belas pinturas, estão presentes pontos importantes da não tão recente história do Estado do Tocantins.



Da ATN

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

  • Aguarde novas notícias.