publicidade
publicidade
Max:32° Min:21°
Araguaína
Araguaína-TO, sexta, 18 de abril de 2014
Siga a REDE TO

Rede 190

Professor gay é apedrejado até a morte próximo a escola

11/10/2013 09h43 | Atualizado em: 12/10/2013 12h05

Dermival Pereira Arione Pereira Leite, de 56 anos, foi encontrado morto com várias marcas de pedrada na cabeça

REDAÇÃO


Foi encontrado morto no começo da manhã desta sexta-feira, 11, no fundo da Escola de Tempo Integral (ETI) Eurídice de Melo, no Jardim Aureny III, em Palmas, o professor Arione Pereira Leite, de 56 anos. Ele foi apedrejado na cabeça, sofreu afundamento craniano e morreu no local.  

O corpo estava próximo ao carro da vítima, na Rua 26. Uma das três filhas de Arione foi até o local e fez a identificação do cadáver, uma vez que não foram encontrados documentos pessoais com o professor. De acordo com a Polícia Militar (PM), a pedra usada no crime tinha cerca de 15 cm de diâmetro.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e após a confirmação da morte do professor, o corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) da capital e já foi liberado para sepultamento, que acontece neste sábado, 12, na capital. 

Natural da cidade de Novo Acordo, Arione morava na quadra 1.104 sul e dava aulas de português na Escola Municipal Aurélio Buarque, onde trabalhava há 5 anos
. Segundo conhecidos, ele havia assumido a homossexualidade recentemente. A hipótese de crime homofóbico está sendo investigada pela Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). 

Abalada, Bethânya Gabrielle, que era aluna da vítima, contou, em entrevista à REDE TO, que Arione era uma pessoa divertida que amava o que fazia. "Ontem durante a aula, ele estava tão alegre; falou que iria viajar, é inacreditável", disse. 

O presidente do Grupo Ipê Amarelo pela Livre Orientação Sexual, Henrique Ávila, só este ano, foram três homicídios motivados por razões homofóbicas na capital tocantinense. "Estamos entristecidos com a notícia e isso só reforça a necessidade do governo em criar medidas emergenciais para o fim da homofobia em nosso estado, pois os crimes de ódio só estão aumentando e o governo não toma uma postura diante de tudo", afirmou. 

Arione Pereira Leite, de 56 anos, dava aulas em uma escola municipal de Palmas.

 


Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

publicidade
publicidade
publicidade