publicidade
publicidade
Araguaína-TO, terça, 25 de fevereiro de 2020
Siga a REDE TO

Estado

Tribunal de Justiça declara ilegal greve dos professores estaduais; Sintet diz que vai recorrer e defende continuidade da paralisação

29/03/2014 13h03 | Atualizado em: 31/03/2014 12h06

Divulgação Profissionais da educação durante ato realizado em frente a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), em Palmas

REDAÇÃO


A justiça declarou que a greve dos servidores da rede estadual de educação é ilegal. A decisão é do juiz Helvécio de Brito Mais Neto, convocado pelo Tribunal de Justiça do Tocantins (TJ/TO) para analisar o pedido de antecipação de tutela movido pelo governo do estado.

Nesta sexta-feira, 28, a secretária da Educação, Adriana Aguiar, comentou a decisão e disse que irá manter o diálogo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet). “Uma vez que a Justiça considerou a greve ilegal, chamo os colegas professores para que estejamos prontamente atendendo os nossos alunos, correspondendo àquilo que eles esperam enquanto estudantes do nosso Estado”.

O governo alega que já atendeu 90% das reinvindicações da categoria e alega que o salário de carreira do professor efetivo tocantinense para o cumprimento de 40 horas semanais é de R$ 3.233,39, o segundo melhor salário pago ao profissional de educação no Brasil, ficando atrás apenas do Distrito Federal (DF). A informação é questionada pelo Sintet. 

Em nota à imprensa, o sindicato informou que irá recorrer da decisão assim que for notificado e que a greve vai continuar. 

Por causa da paralisação, iniciada no último dia 24, centenas de escolas estão com as atividades comprometidas no Tocantins. Milhares de alunos estão sem aulas. 

Além das reivindicações que fazem parte da pauta nacional, como a destinação de 10% do PIB para a educação pública, os profissionais da rede estadual pedem também o cumprimento da data-base, o pagamento retroativo das progressões, a revisão do plano de carreira e o fim da interferência política nas escolas.


Confira, na íntegra, a nota do Sintet sobre a decisão do TJ:

NOTA DO SINTET SOBRE A LIMINAR DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA QUE CONSIDERA A GREVE DOS TRABALHADORES DA REDE ESTADUAL DE ENSINO ILEGAL

Na tarde da última sexta-feira, 28, o Tribunal de Justiça do Tocantins, através do juiz convocado Helvécio de Brito Maia Neto concedeu liminar ao governo estadual determinando a ilegalidade da greve e o imediato retorno às atividades dos grevistas, sob pena de multa diária de 20 mil reais.

O juiz acolheu todas as alegações da Procuradoria Geral do Estado, entre elas a de que corria um “avançado processo de negociação” e que “90% das reivindicações tinham sido atendidas” e que, portanto, não havia motivo para a deflagração da greve. O Sintet considera que a alegação não condiz com a verdade, o que o Sindicato provará em sede de recurso à liminar.

O presidente do Sintet, José Roque Santiago aguarda ser notificado oficialmente e recorrerá da decisão. O Sintet informa ainda que a greve continua.

Nesta segunda-feira, 31, às 15 horas acontecerá uma reunião do sindicato com a Seduc e logo após o Sintet tomará a decisão.


 

Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

  • Aguarde novas notícias.