publicidade
publicidade
Araguaína-TO, terça, 26 de outubro de 2021
Siga a REDE TO

Estado

Nova variante Gamma do coronavírus está em circulação no Tocantins

07/07/2021 11h53 | Atualizado em: 12/07/2021 12h11

Divulgação/Nexu Science Communication Artigo conclui que foi detectada, pela primeira vez, uma nova linhagem potencialmente relacionada a variante Gama do Sars-CoV-2, por meio do sequenciamento do genoma viral de amostras obtidas de moradores de diversas cidades do Tocantins

Um novo artigo pré-print divulgado pela Revista bioRxiv traz a situação epidemiológica do Sars-CoV-2 (o novo coronavírus, causador da Covid-19,) e suas variantes no Estado do Tocantins. O artigo, em inglês, foi publicado no último dia 30 de junho e foi produzido e assinado por diversos pesquisadores, entre eles docentes da Universidade Federal do Tocantins (Câmpus de Gurupi).

Segundo o professor Fabrício Campos, do curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, do Câmpus da UFT em Gurupi, devido à necessidade de celeridade na divulgação das descobertas, os estudos são divulgados primeiramente em forma de artigos pré-prints. "Nós iremos agora submeter o artigo para a Infection, Genetics and Evolution, uma revista da editora Elsevier, para ser revisado por pares", diz o docente.

O artigo destaca a predominância da variante Gama no Tocantins (63,8% das amostras) e descreve o surgimento de novas possíveis mutações e variantes virais com a nova linhagem (vinculada à P1) e representada por oito genomas do Tocantins que abrigam a mutação. A variante Gama (P1) foi aquela que surgiu em Manaus e se espalhou por todo país. O estudo, agora, demonstra uma evolução da P1. De acordo com o artigo, a variante detectada no Tocantins é relacionada a P1 e possivelmente surgiu em São Paulo e se espalhou para outras regiões do país, incluindo Goiás e Tocantins.

O artigo conclui que foi detectada, pela primeira vez, uma nova linhagem potencialmente relacionada a variante Gama do Sars-CoV-2, por meio do sequenciamento do genoma viral de amostras obtidas de moradores de diversas cidades do Tocantins. O artigo mostra a propagação e a evolução da variante P.1 no Brasil e enfatiza a importância da vigilância genômica contínua no Tocantins com o objetivo de monitorar e prevenir a dispersão de variantes.

"A vigilância genômica é a única forma de rastrear e detectar qual variante de Sars-CoV-2 está circulando em determinado local, qual é mais prevalente, se há novas variantes em circulação, etc. A novidade do nosso projeto Corona-ômica-BR é que fizemos uma parceria com o Lacen/Tocantins e estamos realizando o sequenciamento no Tocantins (antes isso era feito pela Fiocruz e o Instituto Adolfo Lutz no RJ e em SP, respectivamente, o que atrasava a obtenção dos resultados). Agora, temos uma vigilância genômica disponível no estado, trazendo agilidade no sequenciamento e na tomada de decisão por parte da Secretaria de Saúde. O que é fundamental para auxiliar no controle da pandemia", destaca o professor Fabrício Campos, um dos autores do artigo.

Confira a íntegra da publicação neste link.

 

Com Sucom/UFT

Leia sobre: EstudoGurupi PesquisaTocantinsUFTVariante Gamma
Obs.:

A REDE TO coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais. Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático. Obrigado.

  • Aguarde novas notícias.